TERMINAL ­ RODOVIÁRIO ­ PRESIDENTE ­ JOÃO ­ GOULART

O Terminal Rodoviário Presidente João Goulart foi fundado em 28 de agosto de 1994. É o maior da América Latina em circulação de pessoas com apenas 15.454m2 de área construída. Foi projetado pelo arquiteto João Sampaio e premiado pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil.

A realização da obra concretizou-se através da parceria entre a Prefeitura e o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários - SETRERJ.

Mais de 350 mil pessoas circulam diariamente pelo terminal, movimentando aproximadamente 1.200 veículos por dia; 22 empresas fazem 12 mil viagens por dia.

O Terminal funciona como ponto final de 28 linhas municipais e 80 intermunicipais, ligando Niterói a municípios próximos, como: São Gonçalo, Itaboraí, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Araruama, Rio Bonito, Maricá, Saquarema, Rio de Janeiro (Praça XV), entre outros.

O Terminal funciona 24 horas/dia, com funcionários organizados em três turnos, inclusive preparados, para cuidar da segurança. Oferece aos seus usuários bancos, bebedouros, lixeiras espalhadas por toda a gare, banheiros que funcionam 24 horas adaptados através de normas técnicas para deficientes físicos, orelhões, stand da Loterj, caixas eletrônicos, e mais os seguintes serviços:

OPERADORES: Atuam com a finalidade de garantir o bom fluxo dos ônibus no interior do Terminal, controlando a entrada e saída de veículos e buscando oferecer maior conforto no embarque e desembarque de passageiros nas plataformas.

ORIENTADORES: Auxiliam aos usuários com dificuldades de locomoção, utilizando, se necessário, as cadeiras de rodas disponíveis; encaminham para o PE/CPN, no veículo de serviço do Terminal, os usuários que tenham necessidade de atendimento médico emergencial; orientam o embarque e desembarque de passageiros nas plataformas, indicando também a localização dos pontos de ônibus; realizam constante campanha contra travessia de pedestres nas pistas de rolamento dos veículos evitando acidentes.

SERVIÇOS GERAIS: Responsável pela manutenção e limpeza geral de todas as dependências do Terminal.

ACHADOS E PERDIDOS: Responsável pelo recebimento, divulgação e entrega de documentos variados.

ESPAÇO CULTURAL: Possibilita aos usuários a oportunidade de apreciar exposições com temas variados, levando com isso arte e cultura a todos que nele circulam.

LIVRO EM MOVIMENTO: Consultas e doações de livros para usuários.

PONTO DE ENCONTRO: Proporciona aos usuários um ponto de referência para marcar encontros.

GARE: Na gare, nestes 13 anos, foram realizados diversos eventos, como exibição de bandas, peças de teatro, orquestra, coral, além de promoção de uma série de serviços, como campanhas de vacinação, festas de Natal e etc. A Teroni pretende manter e incrementar esses eventos.

HISTÓRICO


Considerado como a principal porta de entrada e saída de Niterói para quem vem e vai de barcas ao Rio, o Terminal Presidente João Goulart mudou a fachada do Centro de Niterói, tratado durante anos como "fundos" do município.

Os benefícios trazidos para a cidade, desde a sua construção, são incalculáveis. A retirada dos pontos finais de linhas de ônibus ao longo das Avenidas Ernani do Amaral Peixoto, Visconde do Rio Branco e Marechal Deodoro, desobstruiu o tráfego e também deu mais segurança e comodidade aos usuários, que festejam como a mais importante obra realizada em Niterói para beneficiar o sistema viário local. Democratizou, integrou as relações comunitárias, extinguindo os limites dos espaços sociais, oferecendo a todos os usuários o mesmo tratamento.

A realização da obra concretizou-se através da parceria entre a Prefeitura Municipal de Niterói e o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários (SETRERJ). A administração da obra foi feita, desde sua fundação, pela autarquia municipal NITER - Niterói Terminais Rodoviários, mas a partir de junho de 2007, a administração passou para a concessionária TERONI, Terminal Rodoviário de Niterói Ltda., que venceu a licitação promovida pela NITER.

Além de atrair empregos, virar cenário cultural e adequar o sistema viário, a construção do Terminal atraiu para o local investimentos de milhões de dólares como o Shopping Bay Market, o Supermercado Carrefour e, mais recentemente, o Caminho Niemeyer.

O projeto teve como referência os grandes telhados horizontais característicos da zona norte de Niterói, em especial das olarias. Uma parte da fachada foi retirada da Estação das Barcas do Rio, datada de 1901, e, a outra, do antigo prédio onde estava instalada a Pêndula Fluminense. Reunindo esses elementos da arquitetura de Niterói, mereceu, em 1992, o prêmio do IAB, por sua importância no contexto urbano e seus traços ousados.

O terminal possui duas torres, uma gare de 220m de extensão por 40m de largura, com sete plataformas de embarque e desembarque com fácil identificação dos destinos, através de painéis coloridos, letras do alfabeto e exibição das linhas e nomes das empresas rodoviárias.

NASCE A TERONI


No dia 26 de junho de 2007, foi assinado o contrato entre a NITER - Niterói Terminais Rodoviários - e a concessionária TERONI - Terminal Rodoviário de Niterói Ltda. - finalizando desta forma a licitação pública iniciada em 25 de março de 2006.

O Consórcio TERONI é integrado pela Construtora Zadar Ltda. e KF Empreendimentos Imobiliários Ltda.

Em dois anos de administração do Terminal, portanto desde junho de 2007 a maio de 2009, a concessionária TERONI investiu cerca de R$ 4.000.000.00 (quatro milhões de reais), recursos esses previstos para 5 (cinco) anos conforme estabelecido no edital de Concessão, acelerando o processo de melhorias e modernização do Terminal.

Em pesquisa publicada pelo jornal O DIA em 15 de março de 2009, o Terminal foi considerado o 2º melhor no Estado do Rio de Janeiro nos quesitos de limpeza, segurança, iluminação, sinalização, ordem e estrutura, reconhecendo, desta forma, o empenho da TERONI na administração da coisa pública.